O que você vai ser quando crescer?

O que você vai ser quando crescer?

  • Informações da Banda

    O que você vai ser quando crescer?

    O que você vai ser quando crescer?

    Integrantes:

    Telefone: (31) 9991-6653
    E-mail: twcultural@hotmail.com

    Origem: Belo Horizonte - mg (Brasil)

    Residência: Belo Horizonte - mg (Brasil)

    Estilo
    Música infantil

  • Quem é Thelmo Lins?

    Thelmo Lins é cantor, ator, gestor cultural, escritor e jornalista. Nasceu em Itabirito (MG).
    Começou sua trajetória artística no teatro, em 1983. Realizou algumas montagens teatrais, como A cantora careca e Flicts.

    Em 1991, graduou-se em Comunicação Social pela PUC-MG, tendo realizado os cursos de pós-graduação em Recursos Humanos (Cepemg, 1994) e Gestão Cultural (UNA, 2005).
    Como jornalista, criou e atuou na Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Itabirito (1989 a 1996), foi Superintendente de Comunicação Social da Fundação Clóvis Salgado (1997 a 1999) e Assessor de Imprensa da Galeria de Arte Copasa (2004 a 2007).

    Como gestor cultural, empreendeu vários projetos particulares e coletivos. Entre eles, estão a Mostra de Música e Teatro de Itabirito (2005 e 2006), Projeto Cinema na Praça (Itabirito e Ouro Branco, 2006 e 2007), Salão de Arte de Itabirito (2006 e 2007), Projeto Caixa Acústica (2014 e 2015) e Projeto Tralalalali de Teatro Infantil (2014 e 2015). Colaborou, ainda, na elaboração dos inconclusos projetos de criação do Museu do Ferro (Itabirito) e Teatro do ISAP (na mesma cidade). Atuou como assessor de gestão cultural da Prefeitura de Itabirito (2005 e 2006), Prefeitura de Ouro Branco (2005) e Prefeitura de Congonhas (2006 a 2011). Criou, em 2007, a empresa TW Cultural, de produções artísticas e culturais. De 2009 a 2013, criou e administrou o portal www.itabiritocultural.com.br, único site inteiramente dedicado à cultura do interior de Minas Gerais. Desde março de 2009 é o gerente administrativo do Teatro Santo Agostinho, de Belo Horizonte.

    Como cantor, gravou seu primeiro CD em 1999, o coletivo Nada Será Como Antes – Canções do Clube da Esquina. Em 2000 lançou o CD solo Encontro dos Rios. Três anos mais tarde foi a vez de Thelmo Lins Canta Drummond, com poemas de Carlos Drummond de Andrade musicados especialmente para o trabalho por grandes compositores brasileiros.
    Em 2006, gravou e lançou, ao lado do cantor Wagner Cosse, o elogiado CD Cânticos, com os poemas de Cecília Meireles musicados por Fatima Guedes.
    Em 2010, também com o cantor Wagner Cosse, lançou o CD Trá-lá-lá-lá-li Trá-lá-lá-lá-lá – Poemas Musicados de Henriqueta Lisboa, que se transformou no musical infantil O menino poeta.
    Em 2011, lançou o CD solo Samba, Sambá, Sambô.
    Seus mais recentes trabalhos são os espetáculos Casa de Fado (abril de 2013), Casa de Espanha (agosto de 2013), Casa de Vinicius (novembro de 2013, que gerou o CD lançado em abril de 2014), Casa de Caymmi (abril de 2014) e Casa de Gal e Bethânia (maio de 2015).
    Maria Bethânia, Sueli Costa, Elza Soares, Belchior, José Miguel Wisnik, Joyce, Francis Hime, Vander Lee, Milton Nascimento, Nana Caymmi, Sueli Costa, entre outros nomes consagrados da MPB, são alguns artistas que já atuaram em projetos do artista.

    Como escritor, lançou em 2007 o livro de poesias Rosas Amassadas, com prefácio de Fernando Brant, e foi o organizador do livro Itabirito, minha terra, de Olímpio Silva (1996). Administra site de turismo www.descobertasdothelmo.blogspot.com.br, que relata suas viagens pelo Brasil e países estrangeiros, ilustradas por imagens de sua autoria.

    É apresentador, desde março de 2012, do programa Arte no Ar, na TV Horizonte, da capital mineira (www.tvhorizonte.com.br/artenoar; www.thelmolinsnoartenoar.blogpsot.com). O programa é dedicado à música.

    Recebeu vários prêmios, entre eles, a Medalha Francisco Homem Del Rey (2000), pela Câmara Municipal de Itabirito, por seus serviços prestados à cultura itabiritense. Em 2011, foi agraciado, juntamente com o cantor Wagner Cosse, com o Troféu SESC SATED de Melhor Trilha Sonora do Teatro Mineiro, pelo espetáculo O menino poeta. E recebeu, em 2012, o Troféu O Grito de Personalidade Artística do Ano, concedido pelo jornal O Grito, de Itabirito.

    Próximos projetos: lançamento do CD O que você vai ser quando crescer?, dedicado ao público infantil. O disco é a trilha sonora do musical Profissonhos, inspirado em textos do autor mineiro Leo Cunha, que tem estreia prevista para março de 2016, no Teatro Bradesco, em Belo Horizonte.
    CD e musical Affonso e Marina, com poemas de Affonso Romano de Sant´Anna e Marina Colasanti musicados por Thelmo Lins e vários compositores mineiros. Lançamento previsto para agosto de 2016.


    Contatos:
    (31) 9991-6653
    E-mails: thelmoagmlins@gmail.com ou twcultural@hotmail.com

    Sites e blogs de referências:
    www.thelmolins.tnb.art.br
    www.encontrodosrios.tnb.art.br
    www.cantadrummond.tnb.art.br
    www.canticos.tnb.art.br
    www.cdcasadevinicius.tnb.art.br
    www.twcultural.blogspot.com.br
    www.descobertasdothelmo.blogspot.com
    www.thelmolinsnoartenoar.blogspot.com
    www.caixaacustica.tnb.art.br
    www.teatrosantoagostinhobh.com.br
  • Vídeos

  • Fotos

    encarte-9-setembro-1-5612f3fcdf977.jpg banda-3-5612f4277fd81.jpg esportista-5612f4439f1bb.jpg menino-baloes-baixa-resolucao-5612f4637c1fe.jpg astronauta-3-5612f4847f049.jpg rapunzel-2-5612f49bc433e.jpg resposta-1-copia-5612f4b3de03f.jpg interferencia-1-5612f4d1c6c12.jpg interferencia-2-5612f4e5b6d43.jpg img_5943-5612f5bf3af61.jpg img_5980-5612f611f2525.jpg
  • Músicas

  • Thelmo Lins lança o CD infantil O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?, dedicado à obra do escritor Leo Cunha

    Disco é a trilha sonora de um musical para crianças,
    com estreia prevista para o primeiro semestre de 2016

    Informações e contatos:
    Thelmo Lins (31) 99991-6653
    Luciana Braga, assessora de imprensa (31) 99921-0700 e 98742-9632
    Site www.oquevocevaiser.tnb.art.br
    Fotos em alta resolução no site https://www.flickr.com/photos/twarte/
    Clipe “Músico”: https://vimeo.com/148020043

    As vésperas de completar 30 anos de carreira, há dois anos, o cantor Thelmo Lins passou por um processo de reflexão sobre o tempo de dedicação às artes. E, mais além, quais dos seus sonhos de criança ele havia retido ainda na maturidade? Pouco tempo depois, reencontrou seu antigo colega de faculdade, e atual escritor, poeta e professor Leo Cunha. Conversaram sobre carreira, livros, discos, trajetórias, afinidades. Destes episódios, surgiu o projeto O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER?, que inclui a criação de um espetáculo musical dedicado ao público infantil e a gravação do CD com a gravação da trilha sonora.
    O projeto inaugura sua parceria com o escritor e poeta Leo Cunha, um dos mais aclamados nomes da literatura infanto-juvenil de Minas Gerais, ganhador de vários prêmios, dentre eles o cobiçado Jabuti. Leo e Thelmo, que foram contemporâneos no curso de Jornalismo da PUC-MG (eles se formaram na turma de 1991, ao lado de outros artistas, como a cantora Déa Trancoso, o ator Luiz Arthur e o musicista André Salles, dentre outros), escreveram o texto do espetáculo a quatro mãos. E, das 13 canções do espetáculo, Thelmo Lins criou onze. E as outras duas foram compostas pelo também cantor e compositor Wagner Cosse. As músicas misturam vários ritmos, como jazz, blues, baladas, samba-rock e até marcha de carnaval. É a primeira vez, em sua carreira, que Thelmo assina uma trilha sonora como compositor.
    O CD O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER? traz diversas músicas que homenageiam profissões. Elas foram extraídas de livros como “Profissonhos – Um Guia Poético”, “Poemas Lambuzados”, “Poemas Avoados” e “Debaixo de um Tapete Voador”, todos de Leo Cunha. As canções tratam de profissões como “Poeta”, “Músico”, “Esportista”, “Escultor” e “Astronauta”. No disco, ainda foram registradas “Balão”, “Língua de Sobra”, “Desculpa”, “O Gagago”, “Rapunzel”, “A Pergunta”, “A Resposta” e “Profissonhos”, que estão dentro do contexto da proposta.
    Os arranjos foram delegados ao violonista e guitarrista Rogério Delayon, responsável pela direção musical do disco, que foi todo gravado no seu estúdio, o Toca do Leão, em Nova Lima (MG). Ainda integram a equipe do CD os músicos Evaldo Milagres (percussão e bateria), Sanchez Almeida (contrabaixo), Danilo Abreu (teclado), Sérgio Danilo (sopros), Sirley Rossi (percussão), Tatá Sympa (acordeon), Sheyla Barroso (castanhola) e as vozes de Ana Cristina, Graziela Cruz, Kaio Carmona e Wagner Cosse, no coro. Os cantores Raíssa Alves, Jai Baptista (que marcaram presença em musicais famosos da capital mineira, como A Pequena Sereia, A Arca de Vinicius e Mulheres de Holanda), Antonio Delayon e Pirulito da Vila fazem participações especiais.
    O disco traz ilustrações de Eduardo Sá, design gráfico de Fabiano Lanna e fotos de Mary Lane Vaz.

    Peça estreia em 2016

    A montagem do musical infantil, dirigida por Fernando Bustamante, estreia no primeiro semestre de 2016, no Teatro Bradesco. O espetáculo integra o projeto Diversão em Cena, patrocinado pela Arcelor Mittal, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais.
    O texto, inspirado na obra de Leo Cunha, conta a história de um menino que sonha em ser um mágico e fazer muitos truques legais. Ele assiste ao show de um mágico que se apresenta numa festa de um colega e fica deslumbrado. Durante a peça, tenta falar com ele, para poder extrair alguns ensinamentos. O mágico, no entanto, não dá a mínima bola. Enquanto isso, o menino provoca uma série de problemas com seus truques mal sucedidos.
    Na frustração de não conseguir cumprir sua vontade, o menino pergunta ao pai, à mãe, ao avô e até à assistente do mágico, Rapunzel, se tudo que eles quiseram ser quando eram crianças, eles conseguiram alcançar. As respostas vão abrindo um novo caminho para o menino, que começa a redimensionar seus sonhos. Uma grande ajuda é fornecida pelo seu professor de música, que reconhece seu talento na área musical e lhe dá de presente um super instrumento musical, onde ele pode exercitar seus verdadeiros dons: cantar, dançar, contar anedotas, driblar trava-línguas, dentre outros. Bem, o final surpreendente dessa história só será conhecido para quem assistir ao espetáculo.
    O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER? é o segundo projeto de Thelmo Lins na área infantil. O primeiro foi o CD “Trá-lá-lá-lá-li Trá-lá-lá-lá-lá – Poemas musicados de Henriqueta Lisboa”, dele e de Wagner Cosse, lançado em 2010, e que gerou o premiado musical infantil “O Menino Poeta” (Melhor Trilha Sonora, Melhor Atriz e Melhor Cenário daquele ano, além de indicações para Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Figurino e Revelação em Artes Cênicas). A peça ficou em cartaz até novembro de 2014, após centenas de apresentações na capital mineira e em várias cidades do interior de Minas Gerais. O novo projeto deve cumprir trajetória parecida, pois já estão previstas apresentações em Juiz de Fora, João Monlevade e outras cidades mineiras, além da capital.

    Música por música

    Thelmo Lins faz um relato sobre as faixas do CD:

    Na faixa 01, temos a música “Pergunta”, de onde foi extraído o verso que dá título ao disco e espetáculo: “O que você vai ser quando crescer?”. Ela é baseada em um inspirado poema de Leo Cunha que, em um belo jogo de palavras, ele reflete sobre o futuro. Os verbos sonhar, quiser, faltar, puder, tentar, vier, sobrar e couber se encaixam nas aventuras dos seres humanos durante sua existência na face da Terra. Texto voltado para o público infantil, mas que provoca uma reflexão nos adultos. A canção inspira-se em grandes musicais de Hollywood, que Thelmo Lins assistia quando era criança, nas famosas sessões de tarde da TV. Naquela época, anos 1970, os programas eram marcados pelos passos de Fred Astaire, Ginger Rodgers, Rita Hayworth, Gene Kelly, dentre outros, e embalados pelas canções de Cole Porter, Gershwin e Irving Berlin.
    Em seguida, na faixa 02, temos “O Balão”, poema de Leo Cunha musicado por Wagner Cosse, que também faz uma participação especial como cantor, dividindo a faixa com Thelmo Lins. Desta vez, os autores dão asas à fantasia de verem um simples balão transformado em tantos animais e brinquedos. A canção, dentro do contexto do espetáculo, marca a festa de aniversário de uma criança.
    “O Poeta”, terceira faixa do disco, traz uma letra bastante sucinta, que compara a habilidade de um escritor aos malabarismos de um trapezista. Um jogo de palavras, que mereceu de Thelmo Lins uma melodia circense. O arranjo foi inspirado em trilhas sonoras dos filmes de Federico Fellini.
    Na faixa 04, está a canção “Músico”, que ganhou uma bela ilustração de Eduardo Sá, trazendo o menino com uma série de instrumentos acoplados ao seu corpo, do tipo “one-man band”. Na peça, o professor do protagonista o presenteia com esse grande instrumento musical, para que ele desenvolva seu ofício. A letra é uma homenagem a este trabalhador dos sons, que é capaz de afastar a dor com sua arte e alegria. A canção tem um arranjo de musicais da Broadway, em ao estilo do trabalho desenvolvido pela Cyntilante Produções, produtora do futuro espetáculo teatral, com direito a um belo naipe de metais criado pelo músico Sérgio Danilo, e um vocal de abertura com Wagner Cosse, Rogério Delayon e Thelmo Lins. Esta música é o tema do primeiro clipe do CD, criado pela estudante de Comunicação Social da UFMG Alessandra Giovanna de Almeida. Ela participou de um edital, proposto pela produção do disco, e ganhou o primeiro prêmio. O clipe pode ser visto no site: https://vimeo.com/148020043
    Quase toda criança criada nos anos 60/70 sonhava em ser “Astronauta”, tema da faixa 05 do CD, com música de Wagner Cosse. Devido à disputa entre os EUA e a União Soviética para saber quem dominaria mais rápido a Lua e a atmosfera terrestre, o assunto era comentado pelas crianças, tema de muitos brinquedos e até de um cofrinho (o Cofrenik), ofertado pela Caixa Econômica Federal aos pequenos poupadores. Mas, como ser astronauta no Brasil? Este poema, com a verve bem humorística de Leo Cunha, ganhou um arranjo inspirado no jazz de New Orleans.
    Dentre as personagens da peça teatral, a única que conseguiu realizar seus sonhos de criança foi a mãe do menino. Ela sempre quis ser artista plástica e, como adulta, tornou-se uma escultora. Em “Escultor”, faixa 06 do disco, Thelmo Lins e Leo Cunha abordam a bela transformação da pedra em uma obra de arte. Fazendo uma participação especial, a cantora e atriz Raíssa Alves, um dos mais aclamados nomes do teatro musical mineiro. O arranjo remete ao clima dos luaus à beira da praia, com direito a uma emocionante gaita executada pelo próprio Rogério Delayon.
    Chegamos à faixa 07, denominada “Rapunzel”. Esta canção, com música e letra de Thelmo Lins, foi criada especialmente para a atriz e cantora Jai Baptista, um nome de referência nas artes cênicas de Minas Gerais (ela faz participação na faixa). Na peça, ela interpretará a assistente do mágico, que ganhou esse famoso nome, inspirado na princesa que fica presa na torre até a chegada de seu príncipe salvador. Como essa Rapunzel é negra, seu nome virou motivo de chacota. De forma bem humorada, a canção conta como ela superou o preconceito. Arranjo inspirado nos musicais da Disney.
    É possível ser um “Esportista” e comer desbragadamente? Esta é a brincadeira da oitava faixa do CD. Na peça, relata a história do avô do menino que sonhava em ser um jogador de futebol (“ser outro Pelé”), mas que não parava de atacar picolés, bolos, tortas e caramelos. A canção traz um arranjo suingado, com direito a um belo naipe de metais. Para dançar e se divertir.
    Depois de tanto brincar de mágico, o menino só colecionou desastres. Provocou uma bagunça em sua casa e até quebrou um precioso vaso de sua mãe. Na canção “Desculpa” (faixa 09), ele se redime, dizendo que todas as traquinagens foram em nome de sua experiência “científica”. Mas admite que fez bobeira. A canção começa lenta e, na segunda parte, ganha um arranjo forrozístico, com a bem humorada participação de Antonio Delayon, filho do arranjador, de 10 anos, interpretando o menino.
    “Profissonhos”, faixa 10 do CD, é um poema típico da obra infanto-juvenil de Leo Cunha, cuja brincadeira é associar um nome a uma profissão. Em rimas deliciosas, ele vai discorrendo sobre vários ofícios. Nesta canção, Thelmo Lins também optou por um tratamento brincalhão e um pouco de rock´n´roll. Confira o solo de kazoo, feito pelo próprio Rogério Delayon.
    Outra faixa dançante é “Língua de sobra”, décima primeira canção do CD. No contexto do espetáculo, ela ilustra uma outra festa, desta vez o aniversário do protagonista, ocasião em que ele conhecerá o mágico. Como não pode faltar numa festa infantil, além do bolo e dos docinhos, a língua de sogra é o tema dessa canção, numa brincadeira de trava-línguas. É que o filho do escritor e poeta, quando bem pequenininho, trocava o “g” pelo “b”. No mais, o arranjo se inspira no clima das canções de acento country, com direito a muitos “yuhuuu!”. Além disso, a sanfona de Tatá Sympa, acompanhada pela zabumba e pelo triângulo, executados por Sirley Rossi. Nordeste mesclado com Nashville.
    A penúltima faixa do disco é aberta pela voz de Noel Rosa. Como? Sim, o poeta da Vila criou, em 1934, uma de suas mais famosas pérolas, “O Gago Apaixonado”. E este samba clássico foi inspiração para a criação de “Gagago”, outro trava-línguas de Leo Cunha musicado por Thelmo Lins. Nesse clima de gafieira, não poderia faltar a participação de Pirulito da Vila, conterrâneo de Thelmo (ambos nasceram em Itabirito, MG) e hoje reconhecido como um dos novos nomes do samba mineiro.
    Fechando o CD (e o espetáculo), o poema “Resposta”, que remete à primeira faixa. Para uma criança, é como se olhar no espelho e ver uma longa trajetória pela frente – confira o inspirado desenho de Eduardo Sá que ilustra a faixa no livreto. Para o adulto, é como buscasse em suas fotos e suas reminiscências e se perguntasse: E aí? Valeu a pena? O que temos ainda para construir? Em ritmo de marcha carnavalesca, talvez um dos símbolos da música produzida no Brasil no século 20, o disco/trilha encerra-se com um coro de amigos, como se tudo se transformasse em uma festa. “Quando crescer / e olhar a foto / vou ser eu mesmo / e vou ser outro”.

    Thelmo Lins dedica este trabalho ao seu pai, Otacílio, falecido em fevereiro de 2015, a aos três sobrinhos: João (7 anos), Francisco (4 anos) e Otávio (quase 1 ano).



  • Quem é Leo Cunha?

    Leonardo Antunes Cunha nasceu em Bocaiúva (Minas Gerais), no dia 05 de junho de 1966. É um escritor, tradutor e jornalista brasileiro. Publicou mais de 50 livros infantis e juvenis, cinco livros de crônicas e diversas traduções. É graduado em Jornalismo e Publicidade (PUC-Minas), pós-graduado em Literatura Infantil (PUC-Minas), Mestre em Ciência da Informação e Doutor em Cinema (UFMG), com tese sobre os heróis cômicos nos filmes do cineasta francês Francis Veber. É professor universitário desde 1997, no curso de jornalismo Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH.
    Recebeu os principais prêmios brasileiros voltados para a literatura infantil: Prêmio Nestlé, Jabuti, João de Barro, FNLIJ, Concurso de Histórias Infantis do Paraná, Prêmio Biblioteca Nacional.
    Diversos de seus livros receberam o selo Altamente Recomendável, da FNLIJ.
    Como professor de Jornalismo, foi um dos vencedores do projeto Rumos Itaú Cultural, na categoria Jornalismo Cultural, em 2009.
  • Quem é Rogério Delayon

    Rogério Delayon é músico, diretor musical e arranjador. Iniciou sua carreira em 1989. Estudou no Conservatório Mineiro de Música e se especializou com vários músicos, dentre eles Nelson Faria, Ian Guest, Jeff Garden, Mark Lambert e Matt Warnock. Atuou nas bandas Omeriah, Cia. Supertramp, Joker e Radar Tantã. Já acompanhou vários artistas da cena mineira e nacional, dentre eles Zeca Baleiro, Zizi Possi, Zélia Duncan, Leila Pinheiro, Paulinho Moska, Jair Rodrigues, Titane, Dante Ozzetti, Marina Machado, Paula Santoro, Tino Gomes, Moraes Moreira e a dupla Victor & Leo. Realizou turnês internacionais por Portugal, Alemanha, Bélgica, Holanda, Argentina, Espanha e Paraguai. Já participou de dezenas de CDs e dirigiu vários discos, sendo os mais recentes da banda Odilara, do cantor Renato Ribas, da cantora Selmma Carvalho e de Thelmo Lins.
    Dentre os intrumentos que toca no disco O QUE VOCÊ VAI SER QUANDO CRESCER? estão violão, violão 7 cordas, guitarra, guitarra flamenca, gaita, banjo, kazoo, teclado e programações.